4 minutos de leituraÉ possível ir além do Sistema?

Em mais um encontro CINEIN, método que utiliza a arte para nos ensinar sobre nós e sobre a vida, a SONATA BRASIL, por meio de suas sócias-fundadoras Natalia Leite e Soraia Schutel, trouxe a análise de um filme campeão de bilheteria e sucesso de crítica, Matrix.

Uma história contada no ano de 2199 onde um dos protagonistas, Thomas Anderson – Neo (Keanu Reeves), é atormentado por estranhos e repetitivos pesadelos. À medida que esses sonhos se repetem, Anderson começa a ter dúvidas sobre a realidade. Por meio do encontro com os misteriosos Morpheus (Laurence Fishburne) e Trinity (Carrie-Anne Moss), ele descobre que está sendo, assim como outras pessoas, vítima do Matrix, um sistema inteligente e artificial que manipula a mente das pessoas.

A cena inicial apresenta, de uma maneira sintética, o tema que permeia toda a história. Tudo aquilo que está na programação e na base operacional de um sistema.

O Sistema

Que existe um sistema é indiscutível. Mas como ele opera? O que o alimenta? Será possível fazer parte sem ser consumido e automatizado por ele?

Entendemos que o Sistema é representado pelas regras sociais, pelos modelos de comportamento fixo, pelo superego, essa espécie de “olho externo” que está sempre te identificando pra poder te controlar e te trazer de volta aos trilhos.

Esse sistema mecânico, que se constitui de máquinas anti-humanas, tem sempre caminhos padronizados, uma capacidade enorme de nos levar pra fora e nos afastar da nossa própria natureza humana que é integral e criativa.

Reclamar, bater de frente, lutar para quebrá-lo, talvez tenham sido alternativas que já passaram por sua cabeça. Quando pensamos nisso não nos damos conta de que podemos ser destruídos também.

Entender como esse sistema opera e aprender a nos mover de maneira estratégica, transitando por ele, nos permite construir um espaço de liberdade, resgatando e mantendo nossa individualidade, nossa humanidade.

Em uma das cenas, o “bicho cibernético” que havia sido colocado no umbigo de Neo, justamente na fonte de energia vital dos humanos, foi retirado por Trinity e imediatamente se apagou e morreu.

O que isso nos mostra?

Sem a energia da vida humana o sistema não opera.

O que é isso na prática?

Onde você deposita a sua atenção ou qualquer informação que você consome e coloca pra frente, se torna real e faz com que a sua energia se torne alimento para o sistema.

Quais são os velhos e repetitivos comportamentos que te fixam no sistema? Lembrando que “novo” ou “velho” não está relacionado à idade cronológica e sim a ter ou não ter abertura ou interesse em relação ao que é novo ou diferente.

Ter esse tipo de atitude faz com que entremos num casulo onde, com a nossa energia vital, alimentamos apenas aos interesses do sistema.

Você já se questionou para onde está direcionando a sua energia vital? É no seu projeto de vida? No seu propósito? Na sua jornada?

Os Protagonistas

No filme, Thomas Anderson é Neo que representa o Novo, o Diferente, o Criativo. Aquele que é capaz de enfrentar e libertar as pessoas do sistema, do Matrix, indo além da mentalidade de boiada. Nesse lugar impera o rígido e normalmente é o onde paramos de aprender pois estamos presos em nossas “certezas absolutas”.

Trinity representa a Trindade, que está presente na cultura universal. É um código sempre relacionado ao equilíbrio e serve como ponte para chegar ao “novo”. Ela faz o “novo” vir à tona. No humano integral a trindade se apresenta por meio das três dimensões: racionalidade, emoção e psique/espírito. Onde está a “trinity” em você?

Etimologicamente Morfe é moldar. Morpheus é o moldador, que constrói as formas. No filme, o Deus dos sonhos, é quem encontra o “Novo”. Ele nos relembra que na dimensão dos sonhos temos a possibilidade de acessar um novo mundo repleto de sinais sutis e linguagem própria, mas que nos reconecta à nossa essência.

O mundo dos sonhos sonhados a noite possui uma linguagem própria e é um dos temas de pesquisa de décadas da Sonata Brasil.

Sonho não é fantasia!

Não fomos educados a entender a importância dessa linguagem que acompanha o humano desde sempre, em todas as culturas.

Compreender o mundo dos sonhos nos permite alcançar o nível máximo de inteligência emocional e é também o caminho mais eficaz para redução de ansiedade e paz de espírito para tomar decisões importantes.

Se você quer se começar a entender essa nova linguagem, venha participar do curso Introdução ao mundo dos sonhos: alfabetização na linguagem da vida! Esse curso é o jardim de infância neste tema. Não dá para virar doutor sem antes dominar o beabá.

Falamos também sobre esse “Mundo Desconhecido” no nono episódio do Sonata Cast, o Podcast da Sonata, onde as sócias-fundadoras Natalia Leite e Soraia Schutel explicam sobre a importância do intérprete dos sonhos e respondem 5 perguntas sobre sonhos que são recorrentes nas nossas Redes Sociais. Clique aqui para ouvir o episódio completo no Spotify.

No Comments

Post A Comment